TerraBase

TerraBase

segunda-feira, setembro 10, 2012

ALMAS GÊMEAS



 Acontecimentos recentes me fizeram repensar sobre Alma Gêmea e sobre a probabilidade ou não dela nos reconhecer nessa vida. Mas afinal quem é nossa Alma Gêmea?
Alma Gêmea é uma pessoa que se identifica muito com você, tanto, que quando ela aparece na sua vida precipita uma defragmentação do seu ego, e uma restruturação de uma nova identidade. Marcando com isso o início de um novo ciclo de sete anos. Ela é a exata combinaçao que precisamos para nos desenvolver e esse relacionamento depende da sintonia e da possibilidade de crescimento mútuo. Existem Almas Gêmea do Espírito, o que representa uma parceria que já vem acontecendo por várias vidas, e muitas vezes com o intuito se fundir em uma única Alma ou Espírito.  Para encontrarmos a nossa Alma Gêmea devemos expandir a percepção que temos de nós mesmos e do Universo em que estamos inseridos.
Na vida real, esse encontro se reafirma com a sensação de conhecer aquela pessoa já há muito tempo, saudades, e coincidências dos marcos de transformações na vida dos dois, ou em relação à datas, ou a acontecimentos significativos semelhantes. Todavia a melhor maneira de você atrair sua Alma Gêmea é descobrindo a si próprio. Quanto mais desenvolvermos e expandirmos nossos talentos, habilidades, sabedoria, nosso jeito de ser que é único, mas fácil será de sermos reconhecidos pela nossa Alma Gêmea.

Assim, publico dois textos muito interessantes escritos por duas pessoas iluminadas: Chico Xavier (por Emmanuel) e Mônica Buonfiglio:


A Teoria das Almas Gêmeas - Emmanuel
Será uma verdade a teoria das almas gêmeas?
No sagrado mistério da vida, cada coração possui no Infinito a alma gêmea da sua, companheira divina para a viagem à gloriosa imortalidade.

Criadas umas para as outras, as almas gêmeas se buscam, sempre que separadas. A união perene é-lhes a aspiração suprema e indefinível. Milhares de seres, se transviados no crime ou na inconsciência, experimentaram a separação das almas que os sustentam, como a provação mais ríspida e dolorosa, e, no drama das existências mais obscuras, vemos sempre a atração eterna das almas que se amam mais intimamente, envolvendo umas para as outras num turbilhão de ansiedades angustiosas; atração que é superior a todas as expressões convencionais da vida terrestre. Quando se encontram no acervo real para os seus corações – a da ventura de sua união pela qual não trocariam todos os impérios do mundo, e a única amargura que lhes empana a alegria é a perspectiva de uma nova separação pela morte, perspectiva essa que a luz da Nova Revelação veio dissipar, descerrando para todos os espíritos, amantes do bem e da verdade, os horizontes eternos da vida.

A atração das almas gêmeas é traço característico de todos os planos de luta na Terra?
O Universo é o plano infinito que o pensamento divino povoou de ilimitadas e intraduzíveis belezas. Para todos nós, o primeiro instante da criação do ser está mergulhado num suave mistério, assim como também a atração profunda e inexplicável que arrasta uma alma para outra, no instituto dos trabalhos, das experiências e das provas, no caminho infinito do Tempo.

A ligação das almas gêmeas repousa, para o nosso conhecimento relativo, nos desígnios divinos, insondáveis na sua sagrada origem, constituindo a fonte vital do interesse das criaturas para as edificações da vida. Separadas ou unidas nas experiências do mundo, as almas irmãs caminham, ansiosas, pela união e pela harmonia supremas, até que se integrem, no plano espiritual, onde se reúnem para sempre na mais sublime expressão de amor divino, finalidades profundas de todas as cogitações do ser, no Dédalo do destino.

A união das almas gêmeas pode constituir restrição ao amor universal?
O amor das almas gêmeas não pode efetuar semelhante restrição, porquanto, atingida a culminância evolutiva, todas as expressões afetivas se irmanam na conquista do amor divino. O amor das almas gêmeas, em suma, é aquele que o Espírito, um dia, sentirá pela Humanidade inteira.

Perante a teoria das almas gêmeas, como esclarecer a situação dos viúvos que procuram, novas uniões matrimoniais, alegando a felicidade encontrada no lar primitivo?
Não devemos esquecer que a Terra ainda é uma escola de lutas regeneradoras ou expiatórias, onde o homem pode consorciar-se várias vezes, sem que a sua união matrimonial se efetue com a alma gêmea da sua, muitas vezes distante da esfera material.
A criatura transviada, até que se espiritualize para a compreensão desses laços sublimes, está submetida, no mapa de suas provações, a tais experiências, por vezes pesadas e dolorosas. A situação de inquietude e subversão de valores na alma humana justifica essa provação terrestre, caracterizada pela distância dos Espíritos amados, que se encontram num plano de compreensão superior, os quais, longe de desdenharem as boas experiências dos companheiros de seus afetos, buscam facultar-lhes com a máxima dedicação, de modo a facilitar o seu avanço direto às mais elevadas conquistas espirituais.

Os Espíritos evoluídos, pelo fato de deixarem algum amado na Terra, ficam ligados ao planeta pelos laços da saudade?
Os espíritos superiores não ficam propriamente ligados ao orbe terreno, mas não perdem o interesse afetivo pelos seres amados que deixaram no mundo, pelos quais trabalham com ardor, impulsionando-os na estrada das lutas redentoras, em busca das culminâncias da perfeição.
A saudade, nessas almas santificadas e puras, é muito mais sublime e mais forte, por nascer de uma sensibilidade superior, salientando-se que, convertida num interesse divino, opera as grandes abnegações do Céu, que seguem os passos vacilantes do Espírito encarnado, através de sua peregrinação expiatória ou redentora na face da Terra.
Somente pela prece a alma encarnada pode auxiliar um Espírito bem-amado que a antecedeu na jornada do túmulo?
A oração coopera eficazmente em favor do que partiu, muitas vezes com o espírito emaranhado na rede das ilusões da existência material. Todavia, o coração amigo que ficou aí no mundo, pela vibração silenciosa e pelo desejo perseverante de ser útil ao companheiro que o precedeu na sepultura, para os movimentos da vida, nos momentos de repouso do corpo, em que a alma evoluída pode gozar de relativa liberdade, pode encontrar o Espírito sofredor ou errante do amigo desencarnado, despertar-lhe à vontade no cumprimento do dever, bem como orienta-lo sobre a sua realidade nova, sem que a sua memória corporal registre o acontecimento na vigília comum. Daí nasce à afirmativa de que somente o amor pode atravessar o abismo da morte.

Emmanuel (“O Consolador” – 322 a 330 - Chico Xavier)


Deus, em sua sabedoria e bondade, ao criar cada alma, deu-lhe a forma arredondada  de uma esfera. Depois cortou a esfera em duas partes e colocou cada metade em um corpo diferente.
Sempre houve, de uma forma ou outra, muito interesse por parte do homem pelo mistério do amor, que é também o mistério das almas gêmeas.       

 Podemos  ir muito longe no passado  e ver, por  exemplo, que  Platão,o filósofo grego que viveu de 427 a 327 AC, já estudava o tema. Ele dizia que, no início dos tempos, os corpos humanos eram hermafroditas, ou seja, tinham  em si  os dois sexos  ao mesmo tempo. Mas  num  certo momento os deuses  puniram   os homens   e  separaram  os  sexos, infelicitando desta forma  o homem e a  mulher. E  aquele ser, antes  completo,  passou  a procurar o paraíso que  somente seria possível quando as duas metades originais se encontrassem.

Ela tem sido a explicação mais freqüente para o aparecimento  tanto do amor quanto das almas gêmeas, variando apenas em detalhes, que acabam não sendo tão  significativos. Todos parecem concordar que houve um tempo em  que o ser humano  era completo, bastando  a si mesmo para atingir a felicidade. Mas aconteceu, em  algum momento, a divisão desse ser em duas  metades,  tanto física como  espiritualmente. E desde  então o ser humano, masculino e feminino, tem procurado encontrar sua outra metade, ao longo dos tempos e das reencarnações.

Assim como o homem não é, hoje, o mesmo que era há  mil anos, também o relacionamento entre homens e mulheres não é o mesmo.  Mas não  tem variado  tanto  quando  se trata   de  amor  e do relacionamento  a  que  este sentimento  leva. Amar tem sido sempre algo muito próximo da religião, no mais puro sentido  desta palavra. A palavra  religião  é originária de "religare", significando tornar a ligar  o homem a Deus. O momento em que o ser humano encontra-se mais próximo de Deus é quando está amando. Quando estamos apaixonados amamos a tudo e a todos. O mundo é melhor, mais bonito, o futuro nos  parece mais promissor, e tudo  parece nos convidar à felicidade. É um sentimento que nos liga a Deus, o que já basta para que  todos os relacionamentos sejam encarados como sagrados, a exemplo do que faz a cultura tântrica. 


Sendo um sentimento muito próximo da religião, o amor tem sido celebrado por  todas as formas  de artes. Na escultura, na  pintura,na música e em  outras formas de  manifestação artística, encontramos o amor como assunto  predominante.  Mas é na literatura que encontramos os exemplos mais  fascinantes de histórias de amor,  sejam elas reais ou  imaginárias. É até muito frequente que umas sejam confundidas  com outras, a ponto de não se conseguir distinguir quais os  personagens que realmente existiram e quais são produtos da imaginação de escritores e poetas. Afinal, para  quem ouve e lê  essas histórias com os ouvidos e os olhos do coração, não há nenhuma  importância em  distinguir o real do imaginário. São perfeitos exemplos de almas gêmeas, mesmo que sua  história não tenha necessariamente um final feliz, pois a eternidade é o verdadeiro objetivo das  duas  metades que se encontram. Grandes amores foram celebrados pela arte do homem, desde os tempos da mitologia greco-romana. Nomes como Tristão e Isolda, Romeu e Julieta, Abelardo e Heloísa, Dante e Beatriz, Apolo e Jacinto, Páris e Helena, SãoFrancisco e Santa Clara evocam doces recordações de enamorados de sempre, inseparáveis até mesmo na rima que seus nomes formam ao serem pronunciados em conjunto.

O encontro de duas almas gêmeas, no entanto, não é sempre despido de conflitos. Podemos mesmo dizer que frequentemente a oportunidade de conhecimento e uniãode duas almas gêmeas acontece porque uma das duas, ou mesmo as duas, estão passando por momentos difíceis,através de seu corpo físico e de sua vida no plano material.Como dizem os astrólogos, é comum que um dos dois estejapassando pelo trânsito de Saturno, por um período de conscientização quanto à verdadeira missão terrena, o quepode também ter  consequências negativas no  aspecto financeiro. 


Duas razões existem para que as coisas se dêem certo deste jeito. Primeiro, porque a experiência nos mostra que estamos muito mais atentos e abertos a novas  possibilidades quando estamos passando por dificuldades, que , ao acontecerem, trazem em si a  necessidade ou até mesmo a inevitabilidade de mudanças; diante deste quadro, é de se esperar  que fiquemos atentos ao que se passa ao nosso redor, sondando possibilidades e procurando as soluções disponíveis. Em segundo lugar, porque ao ver que  nossa vida está desarrumada em função das expectativas materiais, instintivamente  elevamos nossos anseios, buscando colocá-los em objetivos que estejam acima de mudanças constantes, e  dirigimos nossa  atenção às esferas espirituais, muito mais permanentes do que nossas vãs  cobiças materiais. Claro que é preciso acreditar, e se acreditarmos acabamos por abrir nossos  espíritos a eventos que normalmente passariam despercebidos. Em outras palavras: aumentamos sensivelmente nossas chances de passar por novas experiências, entre elas o  encontro com a alma gêmea.

Por outro lado, não podemos ter hora marcada para  esse encontro, pois as almas gêmeas podem cruzar-se por várias vezes sem que se reconheçam. O encontro final pode acontecer depois de muitas vidas, depois de seguidos  desencontros, mas com segurança irá acontecer um dia. Inevitavelmente as duas partes da esfera acabarão por se  unir novamente para formar o todo inicial.

( Livro Almas Gêmeas - Mônica Buonfiglio )

Você já encontrou a sua?
Bjos no Coração
Saviitri



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Saviitri Ananda

Minha foto
Curitiba, Paraná, Brazil
Sou uma eterna buscadora... metamorfose ambulante...senhora de mim. Sem verdades absolutas, pulso com o Universo em busca do inatingível. Sou inimitável e sem limites... quântica.